Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Governo Central registra primeiro superávit para novembro desde 2013


A alta da arrecadação provocada pela recuperação da economia e o pagamento de concessões referentes ao leilão de usinas hidrelétricas fizeram o Governo Central obter o primeiro resultado positivo para meses de novembro em quatro anos. No mês passado, o Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central registraram superávit primário de R$ 1,348 bilhão.


O resultado primário leva em conta a diferença entre receitas e despesas, desconsiderando os juros da dívida pública. Desde 2013, o Governo Central não fechava novembro com resultado positivo. No mesmo mês do ano passado, o Governo Central tinha registrado déficit de R$ 38,467 bilhões, o pior resultado da história para o mês.


O resultado de novembro diminuiu para R$ 101,919 bilhões o déficit primário acumulado em 2017, ainda o pior valor registrado para os 11 primeiros meses do ano desde o início da série histórica, em 1997. Pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o Governo Central tem de fechar o ano com déficit de R$ 159 bilhões. Na semana passada, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que a equipe econômica tem condições de cumprir a meta com pequena folga.


Cemig


No mês passado, o governo contou com dois fatores para impulsionar as receitas. Além da recuperação econômica, que fez a arrecadação federal subir em novembro, o Tesouro reforçou o caixa com o pagamento de R$ 12,1 bilhões dos leilões para renovar a concessão de quatro usinas hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Em dezembro, o Tesouro receberá R$ 10 bilhões dos leilões de concessão de petróleo e gás e R$ 3 bilhões de concessões de aeroportos leiloados no início do ano.


Os recursos extras fizeram as receitas líquidas do Governo Central subir 3,5% de janeiro a novembro em valores nominais. Ao descontar a inflação, no entanto, a variação real cai para zero. No mesmo período, as despesas totais também subiram 3,5%, com variação real zero ao desconsiderar a inflação.


A estabilização das despesas só foi possível porque o governo cortou despesas não obrigatórias para compensar o crescimento de gastos obrigatórios. De janeiro a novembro, os gastos com a Previdência Social subiram 6,1% acima da inflação em relação ao mesmo período do ano passado. Os gastos com o funcionalismo federal aumentaram 7,1% também acima da inflação.


Cortes de gastos


As despesas discricionárias (não obrigatórias), no entanto, caíram 13,8% na mesma comparação, desconsiderando a inflação. Os gastos de custeio (manutenção da máquina pública) acumulam queda real de 8,5%. Ao longo do ano, diversos programas e serviços federais enfrentaram restrição de recursos, como emissão de passaportes, vigilância rodoviária e universidades federais.


Os investimentos – obras públicas e compra de equipamentos – totalizaram R$ 35,595 bilhões e recuaram 35,2% em termos reais (excluindo a inflação). Os empreendimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somaram R$ 19,8 bilhões de janeiro a novembro, com queda real de 40,3% em relação aos mesmos meses do ano passado. Principal programa habitacional do governo, o Minha Casa, Minha Vida gastou R$ 2,364 bilhões, com retração real de 61%.


Fonte: Agência Brasil


26/12/2017

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO