Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Queda da inflação melhora custo de vida dos brasileiros


Supersafra, confiança e atuação do Banco Central derrubam inflação e juros no Brasil


Há pouco mais de um ano, o Brasil enfrentava um cenário de juros galopantes, inflação alta e a pior recessão da história. Com uma agenda de reformas estruturais, responsabilidade fiscal e medidas de estímulo, o governo federal conseguiu reverter esse cenário e agora as previsões apontam para um horizonte favorável para a retomada da economia brasileira.


De um patamar de 9,28%, no ano passado, a inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) agora está em 2,46% nos últimos 12 meses encerrados em agosto. Isso significa que o custo de vida dos brasileiros está mais baixo.


O aumento da produção agropecuária, em especial a de grãos, teve um papel importante no processo de queda da inflação. A grande oferta de produtos do setor agropecuário contém a alta de preços de outros segmentos econômicos e contribui para o processo de desinflação. Atualmente, o preço do grupo de alimentos e bebidas acumula uma deflação de 2,01% nos últimos 12 meses.


Não à toa, o preço dos alimentos, desde os tempos de hiperinflação, é a principal despesa das famílias brasileiras e, por isso, possui tanto impacto nos preços e no custo de vida das pessoas. Na avaliação da Tendências Consultoria, a queda no preço desse grupo é o maior motivo para a queda tão rápida da inflação.


“O principal fator é a supersafra e o preço dos alimentos, que depois de um período de muita pressão continuam despencando [...]. O grosso da desinflação é resultado do preço dos alimentos a domicílio”, afirma o analista da Tendências, Marcio Milan.


Juros em queda


Mais crédito na sua carteira: inflação e juros caemPrincipal instrumento de combate à inflação, a taxa básica de juros, a Selic, também acompanhou esse processo: recuou de 14,25% ao ano, em junho do ano passado, para os atuais 8,25% ao ano – o menor nível em quatro anos.


Como a Selic é utilizada pelo Banco Central para encarecer ou baratear o acesso ao crédito, essa redução leva um aquecimento do consumo e a um aumento da atividade econômica. Isso porque a queda da taxa básica viabiliza mais investimentos do setor produtivo.


Segundo as previsões do mercado financeiro, a taxa básica deverá chegar ao patamar de 7% ao ano no final de 2017. Caso isso se confirme, o Brasil conviverá com os juros mais baixos da história.


Sinalização positiva


Além dos indicadores positivos, uma política econômica pautada por reformas estruturais e responsabilidade fiscal, isto é, rigor nas contas públicas, sinalizou uma mensagem positiva a investidores, analistas e empresários do setor produtivo.


“Acredito que a confiança impacta na questão de expectativas. Quanto melhor o movimento das expectativas da inflação, mais os empresários se sentem confiantes”, reforça o analista Marcio Milan. Na avaliação dele, em 2018, a inflação vai entrar ainda mais nos parâmetros do Banco Central, já que os movimentos na Selic acontecem com defasagem.


Nesse contexto, diz Milan, o pulso firme do Banco Central contribuiu para acalmar as expectativas e controlar a inflação. “O Banco Central conseguiu uma vitória bastante considerável se considerarmos o patamar em que a inflação se encontrava a as incertezas no período”, afirma.


Uma nova meta


A função principal do Banco Central é zelar pela estabilidade financeira do País e controlar a inflação. Para isso, ele segue uma meta de inflação, que é definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).


Diante do rápido processo de desinflação visto no último ano, a meta foi alterada: atualmente em 4,5%, a meta inflacionária passa a ser de 4,25% em 2019 e de 4% em 2020.


Fonte: Portal Brasil, com informações do IBGE e Banco Central


03/10/2017

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO