Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Contas públicas terminam 2016 com rombo recorde de R$ 154,3 bi


BRASÍLIA - As contas públicas encerraram 2016 com um rombo histórico de R$ 154,3 bilhões. O resultado, já esperado, é recorde e foi consequência de uma combinação perversa de receitas em queda e despesas engessadas. Segundo relatório divulgado pelo Ministério da Fazenda nesta segunda-feira, as receitas somaram R$ 1,088 trilhão no ano passado, o que representa uma queda real (já descontada a inflação) de 4,1% em relação a 2015. Já as despesas acumularam R$ 1,242 trilhão – uma queda real de 1,2%.


Com esse resultado, a equipe econômica conseguiu ficar abaixo da meta de resultado primário fixada para o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) para o ano. Ela era um déficit primário de R$ 170,5 bilhões. De acordo com o relatório, a diferença entre a meta e o resultado final, de R$ 16,2 bilhões, será parcialmente usada pelo governo para compensar uma frustração no resultado fiscal das empresas estatais.


No documento de hoje, o Tesouro informou o valor de despesas que será usado como base para a aplicação da regra que fixou um teto para os gastos públicos a partir de 2017. De acordo com proposta de emenda à Constituição (PEC) aprovada pelo Congresso, as despesas deste ano só poderão crescer de acordo com a inflação, estimada pela equipe econômica em 7,2%.


Segundo o texto da Fazenda, as despesas que serão referência para o teto em 2016 são de R$ 1,214 trilhão. Esse valor é diferente do apurado no resultado primário porque nem todos os gastos foram incluídos na nova regra. Assim, aplicando uma inflação de 7,2% ao número de 2016, as despesas de 2017 só poderão chegar a R$ 1,301 trilhão.


Por meio de um vídeo apresentado aos jornalistas, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o resultado de 2016 foi melhor que o previsto. Segundo ele, o governo conduziu de forma rigorosa a execução orçamentária e financeira do ano passado.


O ministro destacou que a equipe econômica conseguiu reduzir em R$ 37,5 bilhões o estoque de restos a pagar (RAP) – despesas de anos anteriores – em 2016. E afirmou que o teto para os gastos públicos a partir de 2017 vai ajudar a reequilibrar as finanças da União:


— Agora, o teto de gastos vai permitir que o Brasil volte aos poucos a gerar superávits primários e a reduzir a dívida pública, restaurando a confiança dos investidores — disse Meirelles.


A secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, também comemorou o fato de o resultado primário do governo central em 2016 ter sido melhor que a meta fixada. Ela destacou que, no final do ano, a equipe econômica conseguiu melhorar o desempenho fiscal graças a uma recuperação das receitas e também uma redução das despesas públicas.


Ana Paula explicou que além de compensar uma frustração no resultado das empresas estatais, o déficit primário menor de 2016 também poderá ajudar a compensar uma frustração nas contas de estados e municípios. Isso porque a meta fiscal do setor público consolidado (que inclui governo central, estatais e estados e municípios) é de um saldo negativo R$ 163,9 bilhões. Deste total, o governo central deveria apresentar um déficit de R$ 170,5 bilhões. As estatais deveriam ter saldo zero e os governos regionais deveriam ter superávit primário de R$ 6,6 bilhões. No entanto, nem estatais e nem prefeitos e governadores conseguirão atingir o objetivo esperado.


O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou que o rombo menor é resultado de uma gestão correta e austera das despesas públicas. Após a abertura do 19º encontro nacional de gestão do patrimônio da União, o ministro destacou que o governo não vai precisar revisar a meta fiscal prevista para 2017, de um déficit de R$ 139 bilhões, e garantiu que o objetivo ainda é crível, apesar da recuperação lenta da economia.


— Esse resultado de hoje demonstra que houve no ano passado uma gestão correta e austera da despesa, principalmente, permitindo que finalizássemos o ano dentro dos limites da meta e até um pouco melhor— disse.


Oliveira lembrou que o resultado considerado para aferição do cumprimento de metas fiscais será divulgado amanhã pelo Banco Central. A metodologia utilizada pelo BC é diferente e, por isso, costuma diferir em algum nível da apresentada pelo Tesouro Nacional.


— Mesmo assim, mesmo após a correção pelas discrepâncias estatísticas, acredito que teremos finalizado o ano um pouco melhor do que o limite da meta permitiria — completou.


Em relação à meta de 2017, o ministro afirmou que fará “todo o necessário” para que o objetivo seja alcançado e não ultrapasse o já gigantesco rombo.


Fonte: Extra



30/01/2017

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sindicalize-se

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO