Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Relator sugere aprovação de substitutivo que inclui nova meta fiscal


A nova versão do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2017, que inclui como meta fiscal um déficit primário de R$ 139 bilhões, recebeu o aval do relator da matéria na Comissão Mista de Orçamento (CMO), senador Wellington Fagundes (PR-MT), que sugeriu a aprovação do texto. No substitutivo que traz os novos valores, anunciados pelo governo na quinta-feira passada, dia 7, também foi incorporado o mecanismo que limita o crescimento dos gastos à inflação.


"Dada a gravidade da situação das finanças públicas, entendemos que será desafiador até mesmo limitar o déficit à meta proposta. Assim, é necessário conjugar outras medidas para que o déficit não seja ainda maior. Dessa forma, incorporamos também em nosso substitutivo o mecanismo de limitação de despesas primárias constante da Proposta de Emenda Constitucional nº 241, de 2016 (que institui o teto de gastos)", decidiu o relator.


O senador, no entanto, fez sugestões para tornar a regra "mais consistente e exequível". Enquanto a PEC prevê o controle sobre a execução da despesa pública, o substitutivo apresentado pelo relator determina que o mecanismo seja adotado já na elaboração e aprovação do Projeto de Lei Orçamentária de 2017. "De nada adianta a inclusão no orçamento de programações que não serão executadas, simplesmente porque não haverá os recursos necessários, o que leva a enormes contingenciamentos ao longo do exercício", avaliou.


O relator também decidiu incluir a vedação à incorporação, no Orçamento, de receitas oriundas de tributos que ainda não foram aprovados. Tal iniciativa fere o "realismo" orçamentário pretendido pelo governo, justificou.


Fagundes afirmou, em seu voto, que a magnitude do déficit "naturalmente" traz preocupação, mas o relator entende que as estimativas "buscaram o realismo nas contas públicas". Por isso, decidiu acolher as estimativas do Executivo. Considerando o setor público como um todo, incluindo Estados, municípios e estatais, o déficit chegará a R$ 143,1 bilhões.


"Ressaltamos a importância, para o realismo das contas públicas, de a definição da meta não considerar abatimentos ou outras formas de redução. Tais expedientes diminuem a transparência da política fiscal, ao tornar impreciso o real objetivo a ser perseguido", disse.


Diante de um cenário tão restritivo, o relator ainda sugeriu que o governo federal priorize a conclusão de obras inacabadas cuja execução física já tenha ultrapassado 50%. "É preferível concluir os investimentos já iniciados a aumentar a quantidade de obras sem continuidade", opinou.


O voto do relator foi proferido após um fim de semana de trabalho em torno do projeto, que se estendeu até 1h desta segunda-feira, 11. O Legislativo corre contra o tempo para aprovar o projeto a tempo de viabilizar o recesso parlamentar. Para isso, o texto tem de ser aprovado até 17 de julho.



Fonte: UOL



11/07/2016

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO