Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Venda de imóveis residenciais na capital paulista cai 1,6% de abril para maio


O número de imóveis residenciais vendidos na cidade de São Paulo chegou a 2.149 em maio, uma queda de 1,6% na comparação com o mês anterior, de acordo com a Pesquisa do Mercado Imobiliário, do Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). Em relação a maio do ano passado, quando foram comercializadas 2.080 unidades, houve aumento de 3,3%.


O maior volume de vendas foi o de imóveis com dois dormitórios (1.432 unidades), que representaram 67% do total comercializado no mês. Nesse caso, o valor médio das unidades é R$ 294 mil. O segmento de um dormitório teve participação de 16% (349 unidades) nas vendas, seguido pelos de três quartos, com 14% (310 unidades). Os imóveis de quatro ou mais dormitórios contribuíram com 3% (58 unidades) do total comercializado.


A cidade de São Paulo encerrou o mês de maio com uma oferta de 28.118 unidades disponíveis para venda, entre imóveis na planta, em construção e prontos, lançados nos últimos 36 meses.


Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), em maio, foram lançados 2.403 imóveis residenciais na capital paulista, o que representa uma queda de 20,5% em relação ao mês de abril (3.023 unidades) e de 6,9% em relação a maio de 2014 (2.582).


Na avaliação do economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, o resultado de maio é praticamente uma estabilidade, o que confirma que a demanda se mantém mesmo em épocas de ajuste da economia. Segundo ele, no entanto, é difícil ajustar os produtos ao mercado consumidor. "A perda de atratividade dos recursos da caderneta de poupança e o seu consequente esvaziamento, aliados à proposta em tramitação no Congresso Nacional de mudança de remuneração das contas vinculadas ao FGTS [Fundo de Garantia do Tempo de Serviço] e à demora do governo em anunciar a Fase 3 do Minha Casa, Minha Vida, têm prejudicado o lançamento e a produção de novos empreendimentos. Esses problemas podem ser potencializados com o aumento do desemprego na construção civil." .


O presidente da entidade, Claudio Bernardes, ressaltou que ainda não percebeu a retomada da confiança dos investidores no país, mesmo após a aprovação de medidas da política de ajustes fiscais. “Isso desanima os incorporadores de fazer novos lançamentos, e os consumidores ainda estão inseguros com os rumos da economia. Mesmo assim, o mercado imobiliário de São Paulo se comportou razoavelmente bem nos últimos três meses."


Fonte: Agencia Brasil



17/07/2015

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO