Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Venda de imóveis residenciais na capital paulista cai 1,6% de abril para maio


O número de imóveis residenciais vendidos na cidade de São Paulo chegou a 2.149 em maio, uma queda de 1,6% na comparação com o mês anterior, de acordo com a Pesquisa do Mercado Imobiliário, do Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). Em relação a maio do ano passado, quando foram comercializadas 2.080 unidades, houve aumento de 3,3%.


O maior volume de vendas foi o de imóveis com dois dormitórios (1.432 unidades), que representaram 67% do total comercializado no mês. Nesse caso, o valor médio das unidades é R$ 294 mil. O segmento de um dormitório teve participação de 16% (349 unidades) nas vendas, seguido pelos de três quartos, com 14% (310 unidades). Os imóveis de quatro ou mais dormitórios contribuíram com 3% (58 unidades) do total comercializado.


A cidade de São Paulo encerrou o mês de maio com uma oferta de 28.118 unidades disponíveis para venda, entre imóveis na planta, em construção e prontos, lançados nos últimos 36 meses.


Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), em maio, foram lançados 2.403 imóveis residenciais na capital paulista, o que representa uma queda de 20,5% em relação ao mês de abril (3.023 unidades) e de 6,9% em relação a maio de 2014 (2.582).


Na avaliação do economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, o resultado de maio é praticamente uma estabilidade, o que confirma que a demanda se mantém mesmo em épocas de ajuste da economia. Segundo ele, no entanto, é difícil ajustar os produtos ao mercado consumidor. "A perda de atratividade dos recursos da caderneta de poupança e o seu consequente esvaziamento, aliados à proposta em tramitação no Congresso Nacional de mudança de remuneração das contas vinculadas ao FGTS [Fundo de Garantia do Tempo de Serviço] e à demora do governo em anunciar a Fase 3 do Minha Casa, Minha Vida, têm prejudicado o lançamento e a produção de novos empreendimentos. Esses problemas podem ser potencializados com o aumento do desemprego na construção civil." .


O presidente da entidade, Claudio Bernardes, ressaltou que ainda não percebeu a retomada da confiança dos investidores no país, mesmo após a aprovação de medidas da política de ajustes fiscais. “Isso desanima os incorporadores de fazer novos lançamentos, e os consumidores ainda estão inseguros com os rumos da economia. Mesmo assim, o mercado imobiliário de São Paulo se comportou razoavelmente bem nos últimos três meses."


Fonte: Agencia Brasil



17/07/2015

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sindicalize-se

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO