Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Governo quer aprovar reforma do PIS-Cofins ainda este ano, diz Levy


O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta quarta-feira (15) que o governo federal pretende aprovar ainda este ano a reforma do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). A afirmação foi durante audiência pública, na Câmara dos Deputados, sobre a Operação Zelotes.


De acordo com o ministro, a intenção é buscar uma alternativa ao sistema atual, considerado por ele como “complexo”, o que contribuiria para a retomada do crescimento em 2016.


“A nossa intenção é transformar isso num sistema muito mais simples, que é chamado crédito financeiro”, afirmou. O ministro evitou, no entanto, estabelecer uma data para que a proposta seja enviada ao Congresso Nacional. “Será o mais breve possível”, disse.


Mais cedo, antes de se dirigir à Câmara, Levy havia recebido deputados para um café da manhã no Ministério da Fazenda. As possíveis mudanças no imposto foram tratadas no encontro. Segundo ele, a participação dos parlamentares na discussão é fundamental, já que as alterações terão que passar por análise na Casa.


O ministro mencionou um ambiente de "simplificação tributária" e de "segurança tributária" que favoreça a retomada do crescimento, referindo-se à reforma.


"A gente aumentar a produtividade das empresas pra poder aumentar a competitividade da nossa economia. Então, foi exatamente apresentar aos líderes dos diversos partidos, que nós tivemos a oportunidade que foi muito boa, de hoje de manhã, vamos dizer assim, lançarmos essa bola em relação à reforma do Pis-Cofins, que é uma peça fundamental, aquela fundação de uma real agenda de crescimento, uma real agenda de retomada da nossa economia", explicou.


Reformulação


Levy disse também que o Carf vem sendo reformulado, a fim de transformá-lo em uma organização segura, eficaz e transparente. Para isso, o Ministério da Fazenda, entre outras medidas, modificou o regimento interno e a composição do órgão, com conselheiros remunerados e processo de seleção estruturado, explicou.


Os mandados passaram de três para dois ano, e o número de conselheiros foi reduzido de 216 para 144. Já as turmas de julgamento passaram de 35 para 15. As medidas, segundo o ministro, tornam o processo de julgamento mais transparente, eficaz e produtivo. Também foi instituído cumprimento de prazos para relatar e formalizar decisões, sob pena de perda de mandato.


A busca é por agilidade e segurança nos julgamentos, conforme Levy. Desde que a operação foi deflagrada, as análises estão suspensas por conta das reformulações, ainda sem data para serem retomadas. Atualmente, há cerca de 116 mil processos parados no Carf, envolvendo R$ 510 bilhões em tributos. “Se forem encontrados vícios nas decisões, elas serão revistas, haverá novo julgamento”, afirmou.


Críticas


O deputado Ivan Valente criticou o fato de o ministro ter levado três meses para dar explicações sobre o assunto na Câmara e de ter chegado com uma hora e meia de atraso à audiência pública. O parlamentar também classificou as respostas dadas pelo ministro como “insuficientes”. Segundo ele, o relatório da Polícia Federal sobre a atuação do Carf contradiz as ações apresentadas por Levy. Para Valente, o que foi levantado pela operação Zelotes é apenas uma amotra do que ocorre atualmente.


Ajuste fiscal


Levy disse ainda que o ambiente externo exige novos desafios para o Brasil, se referindo às medidas do ajuste fiscal. “Quando se fala de ajuste é preparar o Brasil para enfrentar e vencer o novo cenário mundial que está aí. (...) A situação exige esforço e inteligência nas medidas ”, declarou.


Operação Zelotes


Em março, o Carf se tornou alvo de uma operação da Receita Federal, da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda por suspeita de manipulação bilionária de julgamentos de processos no órgão.


Segundo nota divulgada pela Receita, a Justiça Federal expediu 41 mandados de busca e apreensão e decretou o sequestro dos bens e bloqueio dos recursos financeiros de envolvidos na investigação.


De acordo com a Polícia Federal, empresas subornavam conselheiros e servidores do Carf responsáveis pelos julgamentos de processos tributários em troca de veredictos favoráveis que reduziam ou eliminavam os valores devidos.


No mês de maio, o Senado instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as suspeitas de manipulação de julgamentos realizados pelo Carf.


Fonte: G1



16/07/2015

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO